Loja 100, satisfação 200%

Motoristas fazem fila para abastecer com gasolina ‘sem imposto’ em SC
3 de junho de 2016
O seu posto já foi assaltado hoje?
10 de junho de 2016

Loja 100, satisfação 200%

Compartilhar:


PAULO
Visitamos Paulo Chiodini, um dos associados do Sindipetro-SC que possui uma das lojas de conveniências mais bem planejadas do Brasil e com resultados surpreendentes. Em parceria com a Raízen, a Rede de Postos Mime de Jaraguá do Sul mostra como o revendedor pode ser competitivo em tempos de crise, obtendo ótimos resultados e satisfazendo plenamente seus clientes. Tudo foi muito bem pensado, layout, organização, autoatendimento, mix de produtos, limpeza, comunicação visual, treinamento, área de estacionamento e, até mesmo, a área para Pets.

O início das atividades da Rede de Postos Mime, de Jaraguá do Sul, na revenda de combustíveis foi em 1977. Em 1993 foi inaugurada a primeira loja de conveniências, com metade da área atual. O posto continua no mesmo local desde a sua inauguração.
Em 2015 a loja foi toda reestruturada e reinaugurada em dezembro. O tamanho dobrou e passou a ocupar uma área de 450m². Além disso, ela também teve um importante incremento. Foi-lhe anexada uma Central de Produção de 350m². Dessa forma, a loja de conveniências da matriz da Rede de Postos Mime tornou-se modelo do segmento. Tudo minuciosamente projetado.
Para Paulo Chiodini, sócio-proprietário da Rede Mime, a loja deve ser um agregador de negócios e resultados para o posto. “Se temos uma boa loja, vamos vender mais combustíveis e teremos mais resultados. Foi evoluindo aos poucos, indo da loja tradicional da venda de cigarros, bebidas e bomboniere, para o food service, que possui maior margem de lucro, até agregarmos a padaria e a confeitaria”, relata Chiodini.
Hoje a Central de Produção fornece para 10 lojas da rede que possuem essa formatação de atendimento, e, num futuro próximo, há pretensão de enviar para mais pontos. O modelo é caro e quem pensa em fazê-lo, deve ter uma demanda de consumo muito grande. No caso da Rede, isso justifica-se, pois possui uma operação com 38 postos, e envia para as lojas que estão no entorno da Central. A ideia é enviar para todas as lojas que tiverem essa formatação.

CRESCIMENTO
Devido à crise econômica no período 2014/2015, o posto-matriz teve uma redução no consumo de combustíveis em torno de 10%, mas a operação da loja de conveniências teve um crescimento de 12% no comparativo. Neste ano, no mesmo período de 2015, houve um crescimento de 14%. Uma coisa que colaborou com essa performance foi o término da reforma e a reinauguração da loja de conveniências em dezembro do ano passado.

TREINAMENTO
A loja conta com 20 pessoas na operação e mais 15 na produção. Isso faz com que a empresa se preocupe muito com o foco em treinamento, que é de extrema importância para alcançar os resultados esperados. “Usamos bastante o treinamento da Raízen pela internet, que possui tudo o que é necessário para melhorar o atendimento e o aperfeiçoamento dos colaboradores”, relata Chiodini. A revenda possui uma coordenadora de treinamento que elabora uma agenda para o ano com cursos oferecidos pelo SENAI, Associação Empresarial e outras entidades, além dos programas de treinamentos internos, que são aplicados dentro de nossas necessidades.

PRODUÇÃO
Na central de produção da loja há uma nutricionista, que cuida da produção e dos cardápios. Paulo diz que também é necessário buscar bons fornecedores, que cumpram prazos aliados à qualidade dos produtos.
Atualmente o food service da loja oferece aproximadamente 700 itens, sendo que 300 são confeccionados diretamente pela Central de Produção. Tudo é cuidadosamente pesado e com os prazos de validade controlados de forma rigorosa em todas as etapas. Os produtos produzidos em escala maior são feitos na panificação, e os outros são adquiridos de fora, pois há muitas fábricas boas no mercado.

PLANEJAMENTO E VENDAS
Um dos fatores para se obter sucesso financeiro é o planejamento de vendas. No Mime os melhores dias de vendas são às sextas-feiras, aos sábados e aos domingos, tanto na loja de conveniências, quanto na panificação. Mas para que as vendas possam alcançar as metas da empresa é necessária a diversificação de produtos, e isso é o que não falta no Mime. Na referida loja há 3 mil itens, além do que é produzido na panificação. Os carros-chefes são o food service, a padaria, a bebida não-alcóolica e a alcoólica, tabacaria e bomboniere. Nessa loja o atendimento é self e full service. Deve-se achar um modelo entre venda x custos de mão de obra.
Outra maneira importante para melhorar as vendas é a adoção de um caderno de ofertas sempre atualizado e com novidades, não esquecendo das datas promocionais. “Procuramos utilizar sempre a marca líder e depois o custo-benefício, ou seja, o produto de qualidade boa com custo razoável. Cada loja possui suas alavancas de vendas. Mas é necessário levar em conta o público do seu entorno e o de passagem, quando for um posto de rodovia, e aí sim, definir o mix de produtos e preços”, explica Chiodini.
O empresário diz que Santa Catarina nunca viveu uma concorrência tão acirrada quanto hoje em dia. “São ciclos. Sempre tivemos uma revenda tradicional e familiar. Hoje muitos revendedores de fora estão entrando no mercado catarinense. São novas ideias com ações muito competitivas”, completa.
Por isso, ter uma boa loja de conveniências é fundamental no resultado do negócio como um todo. Mas e o que é uma boa loja? É um negócio bem estruturado e organizado, bem abastecido, com iluminação correta, com banheiros limpos, espaço arejado e obrigatoriamente, o espaço possuir mesas e cadeiras. Outras facilidades também atraem o cliente, como internet wireless, espaço pet no lado externo da loja, bicicletário. Pode ser uma loja enxuta, mas o resultado deve trazer uma boa média de vendas.

COMUNICAÇÃO VISUALPADARIA-2
Outro fator preponderante que observamos foi a disposição da comunicação visual no PDV. Iluminação equilibrada, imagens dos painéis conceituais, de alta qualidade e estaticamente chamativas aguçam o consumidor a todo o momento na escolha dos produtos. A organização das informações e a distribuição dos produtos colaboram para aumentar ainda mais a vendas.
A panificação da loja é um belo exemplo. Tudo muito bem cuidado, vitrine limpa e bem iluminada, aparência e produtos sempre fresquinhos levam o cliente ao ponto-chave, a compra.

INVESTIMENTO E RETORNO
Chiodini explica que, para uma loja mediana de até uns 100m², é necessário um investimento entre 250 a 500 mil reais, o qual, se seguir um planejamento estratégico bem realizado, poderá iniciar o retorno em aproximadamente um ano.
Outra receita interessante para o posto é a locação, pois postos possuem as melhores “esquinas” comerciais. A franquia também é mais uma forma atrativa de operação. “Sou favorável à franquia, como as da Select/Shell, AMPM/Ipiranga, por exemplo. Operamos há 20 anos com franquias. Se pegarmos a venda média de uma loja de bandeira branca e uma com franquia, a segunda terá uma desempenho de 30 a 40% mais e faturamento e resultado. O revendedor fica preocupado com o fee que ele tem que pagar e esquece o benefício que a franquia traz. Ela facilita a busca de tecnologia, a boa oferta de produtos e um bom planejamento e treinamento. É muito diferente quando ele tem que fazer isso tudo sozinho e acaba não dando foco no negócio”, completa.

CURT

Curt Nees é sempre bem atendido na loja, com destaque para Luana Camargo

COSTUREIRA

Mercedes Wacholz sempre passa na conveniência para fazer um lanche

SATISFAÇÃO DOS CLIENTES
Saber ouvir os clientes também é muito importante e a satisfação acontece todo o dia. Um dos clientes que bate ponto todos os dias na loja de conveniências é o publicitário aposentado Curt Nees. “Venho aqui todos os dias para tomar um café e comer uma empada do Jerke, de Joinville. Isso é sagrado para mim. Depois da reforma realizada no final do ano passado, ficou melhor ainda. A diversidade de produtos é fantástica. Hoje já conheço o pessoal que até me avisa quando vão chegar novos produtos fresquinhos”, elogia Nees que, quase sempre, é atendido pela simpática Luana Camargo.
A costureira Mercedes Wacholz faz questão de ir do centro até a loja de conveniências do Mime para fazer seus lanches. “Venho abastecer aqui toda a semana e aproveito para fazer um lanche. Prefiro vir aqui a ir a alguma outra padaria, pois o atendimento é de primeira e os produtos são realmente muito deliciosos”, afirma Mercedes.

Fale conosco
X