Os resíduos sólidos gerados na revenda

Governo enviará projeto de lei para revisar taxa de fiscalização ambiental
30 de novembro de 2017
Cade firma acordo de cooperação técnica com Ministério Público de Santa Catarina
15 de dezembro de 2017

Os resíduos sólidos gerados na revenda

Compartilhar:

Qualquer substância ou objeto que o ser humano se desfaça por não reconhecer utilidade é considerado um resíduo. A produção de resíduos causa a poluição e tem aumentado com o desenvolvimento socioeconômico e tecnológico das sociedades.

Resíduos domésticos, industriais e hospitalares são classificados como resíduos sólidos urbanos e comumente chamados de lixo. Estes podem causar a poluição da água, do solo ou da atmosfera.

Os resíduos sólidos apresentam uma vasta diversidade e complexidade, sendo que suas características físicas, químicas e biológicas variam de acordo com a fonte ou atividade geradora, podendo ser classificados de acordo com a sua natureza e risco potencial de contaminação.

A revenda, no mínimo, uma vez ao ano, deve fazer um levantamento de resíduos contaminados gerados e apresentá-lo ao órgão ambiental fiscalizador. Tal apresentação deve-se a responsabilidade dos geradores em destinar corretamente os resíduos que oferecem risco à saúde e ao meio ambiente. Coletores/transportadores e o destino final destes resíduos devem ser especializados.

A norma da ABNT NBR 10.004:2004 classifica os resíduos e no posto encontramos resíduos da classe I:

Resíduos classe I – Perigosos

Em função de suas propriedades físicas, químicas e infectocontagiosas apresentam risco à saúde pública e ao meio ambiente. Ou apresentam uma das seguintes características: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade.

Exemplos: Estopas, papel, papelão, embalagens, filtros, areia, borra de óleo, borra de tinta, graxas usadas, epi’s, mangueiras, materiais contaminados com óleo, tinta ou graxa, lubrificantes, lodo da rampa de lavagem.

Fale conosco
X