SINDIPETRO/SC participa de discussão sobre proibição de tráfego de caminhões na Serra Dona Francisca

Gasolina formulada atende padrões, afirma ANP
20 de fevereiro de 2018
Formação de preços dos combustíveis no Brasil
22 de fevereiro de 2018

SINDIPETRO/SC participa de discussão sobre proibição de tráfego de caminhões na Serra Dona Francisca

Compartilhar:

O presidente do SINDIPETRO/SC (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Santa Catarina), Luiz Antonio Amin, participou na tarde de terça-feira (21), na Comissão de Urbanismo, da Câmara de Vereadores de Joinville, de debate sobre a possibilidade de o tráfego de caminhões com cargas perigosas na Rodovia SC-418, especificamente no trecho da Serra Dona Francisca, ser proibido no período noturno ou em horário específico.

A discussão foi motivada por um pedido do vereador Fabio Dalonso (PSD), que já havia apresentado a proposta no Seminário da Água, realizado em março de 2015. O encontro serviu para dar inicio ao debate, a decisão final é de competência do Estado. Os vereadores querem ouvir todas as partes envolvidas para só depois reivindicar um pedido consensual junto aos deputados e autoridades estaduais.

Para o presidente do SINDIPETRO/SC é importante, em primeiro lugar, manter a Serra Dona Francisca, assim como as demais rodovias do Estado em condições de trafegabilidade. E enfatizou que a entidade participou a alguns anos da discussão sobre o assunto. “Acreditamos que a medida não causará desabastecimento na região”, destacou Amin. Ele lembrou ainda, que a circulação de caminhões tanques nas rodovias é permitida somente até às 18 horas.

A preocupação do vereador Dalonso é que um acidente contamine as nascentes na região, prejudicando o abastecimento de água de Joinville, visto que a bacia hidrográfica do Rio Cubatão é responsável pelo abastecimento de 70% da cidade.  Segundo o ex-presidente da Companhia Águas de Joinville, Jalmei Duarte, a possibilidade de a contaminação chegar à estação de tratamento da Companhia é remota.

Apesar do tráfego de caminhões com cargas perigosas ser intenso, segundo Jovani de Andrade, analista ambiental da Fatma. Márnio Luiz Pereira, gerente de Proteção e Defesa Civil de Joinville, e o major Marcelo Sestrem Venera, comandante da Polícia Militar Rodoviária, destacaram que há três anos não ocorrem acidentes com veículos transportando esse tipo de produto.

Além do SINDIPETRO/SC participaram das discussões o Deinfra (Departamento Estadual de Infraestrutura), Fatma (Fundação de Amparo Tecnológico ao Meio Ambiente), Conselho Municipal de Meio Ambiente, Conselho Gestor da Bacia Hidrográfica do Rio Cubatão, PMR (Polícia Militar Rodoviária), Sema (Secretaria Municipal de Meio Ambiente), Defesa Civil, CAJ (Companhia Águas de Joinville) e Setracajo (Sindicato das Empresas Transportadoras de Cargas de Joinville).

Fale conosco
X