Veículos elétricos reduzirão demanda por óleo em 1 milhão de barris por dia

Governadores discutem ICMS dos combustíveis, em reunião nesta terça-feira
11 de fevereiro de 2020
Estados só aceitam discutir ICMS na reforma tributária
12 de fevereiro de 2020

Veículos elétricos reduzirão demanda por óleo em 1 milhão de barris por dia

Compartilhar:

O mercado de  tem potencial para atingir 14% da frota mundial até 2030, reduzindo a demanda por óleo em 1 milhão de barris por dia, de acordo com projeções da consultoria . Nesse período, a participação de veículos a gasolina deverá cair de 79% para 66% e a de híbridos, subir dos 4% atuais para 9%.

A consultoria prevê que o aumento do volume de vendas de veículos elétricos provocará um efeito cascata em muitas indústrias. Acompanhando a queda da demanda por óleo, a produção de  deve consumir 69% da oferta mundial de lítio e 46% da produção de cobalto.

“Espera-se que a necessidade de infraestrutura de carregamento crie novas indústrias para a instalação e manutenção de estações de carregamento”, diz Ram Chandrasekaran, analista de Transporte e Mobilidade da consultoria.

Autonomia tem  como exemplo

Para a Wood Mackenzie, a indústria de veículos elétricos está mudando de foco, com maior ênfase na densidade de energia produzida e na capacidade de carga das baterias, ao contrário do desafio da década de 2010, quando a ênfase da indústria era na necessidade de redução de preço dos veículos e na escala da produção.

O desenvolvimento das baterias tornará os veículos mais leves, econômicos e, consequentemente mais baratos e atraentes para o mercado, prevê a consultoria.

“O aumento na densidade de energia reduz o peso da bateria e, portanto, do veículo”, diz Chandrasekaran.

De acordo com Wood Mackenzie, a densidade de energia das baterias de íon-lítio deve aumentar de 25% a 35% na próxima década, sem considerar as tecnologias da próxima geração, como uso de baterias em estado sólido e do composto lítio-enxofre.

Chandrasekaran cita a fabricante norte-americana Tesla como exemplo a ser seguido por ter uma das baterias mais avançadas da indústria automotiva. O Tesla Model 3 tem uma densidade de energia de 160 Wh/kg. No modelo, o pacote de 75 kWh pesa aproximadamente 480 kg, cerca de um quarto do peso do veículo.

 

Utilitário inspirado em obras de ficção científica dos anos 1980, Cybertruck é a mais recente aposta da Tesla para o mercado de veículos elétricos. Empresa planeja atingir a capacidade de produção de 740 mil veículos por ano em 2020 (foto: Tesla)

Desafio é capacidade de carregamento

A Wood Mackenzie aponta que a capacidade de carregamento das baterias está entrando em um momento de transformação. De acordo com a consultoria, a combinação de densidade de energia significativamente melhorada e uma rede de estações públicas de carregamento rápido tem o potencial de catapultar a adoção dos veículos elétricos dos 14%, projetados para 2030, para 30% a 40% do mercado global.

A tecnologia de carregamento rápido disponível hoje pode fornecer aproximadamente 64 km de alcance, após 10 minutos de carga, mas não soluciona o desafio de viagens mais longas, uma vez que um percurso de cerca de 300 km milhas exige um carregamento de 30 a 40 minutos.

Para superar o desafio do tempo de carregamento, a Wood Mackenzie aponta que tecnologias de carregamento dinâmico, capazes de carregar os veículos em deslocamento, poderão ser viáveis em larga escala no final da década. Caso isso aconteça, a penetração dos veículos elétricos no mercado mundial em 2030 poderá chegar a até 70% a 80% do mercado.

“Esta tecnologia é um divisor de águas. Isso incentivará os fabricantes a fabricar – e os clientes a comprar – veículos com baterias muito menores”, diz Chandrasekaran.

“Isso provocará um efeito de bola de neve no custo, peso e alcance. No entanto, há um longo caminho a percorrer antes que a tecnologia possa ser considerada comercialmente viável e escalável”, afirma.

Fonte: EPBR
Fale conosco
X